Frota de veículos dobra na região de Ribeirão Preto e 'sufoca' centro

19/02/2013 05h29

GUSTAVO STIVALI
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA, DE RIBEIRÃO PRETO

Em dez anos, a frota de veículos das quatro maiores cidades da região de Ribeirão Preto (313 km de São Paulo) praticamente dobrou de tamanho.

São 450 mil carros e motos a mais nas ruas de Ribeirão, Franca (400 km de São Paulo), São Carlos (232 km de São Paulo) e Araraquara (273 km de São Paulo), segundo dados do Denatran (Departamento Nacional de Trânsito).

Foi acrescida à frota da região uma quantidade de veículos superior à população de Franca, cerca de 318 mil.

O crescimento desenfreado traz transtornos às cidades, que enfrentam engarrafamentos em avenidas centrais e aumento de acidentes. O problema é agravado em épocas como a atual, quando as chuvas são mais comuns.

Em Ribeirão Preto, são 226 mil veículos a mais que passaram a circular nos últimos dez anos --eram 224 mil veículos em 2002 contra 450 mil automóveis em 2012.

A via Norte, as avenidas Presidente Vargas, João Fiúsa, Henri Nestlé, Castelo Branco e o centro são as áreas com o maior registro de trânsito lento e dificuldade.

Além disso, os motoristas sofrem com a dificuldade de arrumar vaga para estacionar. No final do ano passado, a Acirp (Associação Comercial e Industrial de Ribeirão Preto) fez um levantamento e constatou que o centro conta com 1.453 vagas em área azul para uma demanda de mais de 5.000 carros.

"Algumas áreas do centro estão em necrose por causa do tráfego lento e da falta de vagas", diz Vicente Golfetto, diretor da Acirp.

A Prefeitura de Ribeirão Preto foi procurada pela Folha, mas não se pronunciou.

Em Franca, a frota de automóveis saltou de 104 mil para 208 mil em dez anos.

O secretário de Segurança e Cidadania, Sérgio Buranelli, diz que o trânsito de Franca tende a melhorar a partir de março, após a inauguração do viaduto Dona Quita, entre as avenidas Major Nicácio e Ismael Alonso y Alonso.

Em São Carlos, a frota teve um crescimento de 98% --passou de 73 mil para 146 mil.

Celso Higashi, secretário municipal de Trânsito e Transporte, afirma que a prefeitura quer aumentar de 200 para 500 o número de vagas para motos na cidade.

"A ideia é fazer com que o motorista que tem carro e moto se locomova só de motocicleta no dia a dia", diz.

PLANO DE MOBILIDADE

O crescimento de 96% na frota de Araraquara ligou o sinal de alerta na prefeitura, que quer que o município se transforme em um modelo de mobilidade urbana.

Segundo o vice-prefeito da cidade, Coca Ferraz --pesquisador da USP especialista em transporte--, entre as medidas que serão adotadas nos próximos quatro anos estão a adequação do transporte público para pessoas com deficiência e a readequação do sistema de sinalização.

Um dos pontos que receberá mudanças de sinalização será a rotatória da avenida Angélio Pinto. Pontos das avenidas Prudente de Morais e Alan Kardec também terão alterações similares.