Passe livre estudantil começa com desinformação entre estudantes em Goiânia

02/08/2013 13h24

CARLA GUIMARÃES
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA, DE GOIÂNIA

O primeiro dia de validade do passe livre estudantil em Goiânia, nesta sexta-feira (2), foi marcado por desinformação entre os estudantes.

O programa do governo de Goiás começou hoje, em uma etapa inicial, para 7.634 alunos beneficiados por programas sociais do governo e/ou com renda familiar de até três salários mínimos. Goiânia e os municípios da região metropolitana são os primeiros do país a oferecer gratuidade no transporte público para estudantes após a série de protestos iniciados em junho.

Para começar a usar o benefício, os alunos precisavam levar o cartão passe escolar em um dos 250 postos de recarga na região metropolitana. Mas nem todos o fizeram.

Às 7h desta sexta-feira, o estudante Dyego Zornitta da Silva, 17, informou não saber que o benefício passaria a valer hoje. Ele disse que usou o crédito que havia comprado para pegar dois ônibus até seu trabalho nesta manhã.

O estudante disse que se cadastrou dentro do prazo para a primeira etapa do programa e assinou o termo de recebimento do benefício dentro do prazo estipulado.

O aluno do segundo ano do ensino médio estuda no mesmo bairro em que mora, em Aparecida de Goiânia. Com medo da violência, usa transporte coletivo para ir e voltar do colégio. Durante o dia, precisa pegar quatro ônibus para ir até o Tribunal de Contas do Estado, no centro de Goiânia, onde trabalha como menor aprendiz.

As alunas do terceiro ano do ensino médio do Colégio Estadual Lyceu de Goiânia Kamila Teles Coelho, 17, e Anna Beatriz de Paula França, 18, também não conseguiram usar o passe livre.

As duas afirmaram que fizeram o cadastro, mas não receberam a confirmação de que o benefício foi liberado. O nome delas não aparece na lista dos estudantes que tiveram o benefício aprovado.

O governo do Estado afirmou que os estudantes foram informados sobre o início do programa pelo e-mail fornecido por eles próprios no momento do cadastramento. Informações sobre o passe livre também estão disponíveis no site da Superintendência da Juventude do governo de Goiás.

RENDA

A princípio, o programa do governo estadual contempla estudantes de 12 a 18 anos incompletos, beneficiados por programas sociais do governo e/ou com renda familiar de até três salários mínimos. Para manter o benefício, o aluno não pode ser reprovado por nota ou frequência em mais de uma disciplina por semestre ou ano letivo.

O governo do Estado custeará até 48 passagens por mês por pessoa. A quantidade de crédito, porém, poderá ser revista. Serão liberados R$ 22,4 milhões para custear o programa no primeiro ano, recursos provenientes do Protege Goiás (Fundo de Proteção Social do Estado de Goiás).

Segundo o governo, o aluno beneficiado com o passe livre poderá comprar mais viagens por metade do valor da passagem (R$ 2,70) caso seja necessário.

A região metropolitana de Goiânia é composta por 20 municípios, mas são beneficiados pelo passe livre os 18 onde a Companhia Metropolitana de Transporte Coletivo (CMTC) atua.